Alagoas

Defesa Civil de Maceió inclui novas áreas de Bebedouro no mapa de ações prioritárias

Por AlagoasEmDia

04/05/2021 às 13:52:46 - Atualizado há
Flexal de baixo, Flexal de cima e parte da Rua Marquês de Abrantes agora fazem parte da região de monitoramento constante e recomendando para realocação. 'População ilhada', diz diretor do órgão. Defesa Civil inclui áreas do bairro Bebedouro em Mapa de Ações Prioritárias, em Maceió

Ascom/Defesa Civil Municipal

A Defesa Civil de Maceió anunciou nesta terça-feira (4) que novas áreas do Flexal de Baixo, Flexal de Cima e parte da Rua Marquês de Abrantes, em Bebedouro, Maceió, foram incluídas no Mapa de Ações Prioritárias, com monitoramento constante e recomendação para realocação.

Moradores destas regiões vinham cobrando a inclusão, alegando que também foram afetados pelo afundamento do solo causado pela extração de sal-gema na região.

O que se sabe sobre as rachaduras

De acordo com o diretor social e coordenador do estudo socioeconômico da Defesa Civil, Eugênio Dantas, o estudo geológico aponta que estas áreas de Bebedouro não foram atingidas diretamente pelas rachaduras resultantes da extração do sal-gema, mas estão sofrendo os efeitos colaterais da desocupação de imóveis, como perda do comércio, equipamentos públicos e força econômica.

“Essas populações começam a passar por um processo de ilhamento socioeconômico, vão perdendo a vida social, as igrejas, vão perdendo a força econômica. A população [que fica próximo às ruas afetadas pelas rachaduras] fica ilhada, isso causa uma afetação diferenciada porque essas comunidades não sofrem com as residências, mas a economia na região perde força. Neste momento, estamos vendo que essas populações precisam ser incluídas no mapa”, disse o diretor social Eugênio Dantas.

O anúncio foi feito na solenidade de abertura do centro de atendimento a famílias afetadas pelas rachaduras e instabilidade do solo.

Ainda segundo Dantas, o próximo passo será o debate da inclusão das áreas com as instituições envolvidas, Ministério Público de Alagoas (MP-AL) e Prefeitura de Maceió. As novas ações serão divulgadas gradativamente pelo município.

O agravamento da instabilidade no solo começou em 2018, com um tremor de terra e surgimento de rachaduras no bairro do Pinheiro. A partir daí, o problema se espalhou e atingiu os bairros vizinhos, Mutange, Bebedouro e Bom Parto.

Protesto é realizado por moradores de Bebedouro

Moradores do Bebedouro protestam por resolução de problemas causados no solo pela Braskem

Assista aos vídeos mais recente do G1 AL

Veja mais notícias da região no G1 Alagoas
Fonte: G1
Comunicar erro
Alagoas Em Dia

© 2021 Alagoas Em Dia
Notícias o tempo todo

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Alagoas Em Dia