A Tenente-coronel de AL que lidera campanha contra assédio nos quartéis denuncia à polícia que recebeu ameaças

A Tenente-coronel de AL que lidera campanha contra assédio nos quartéis denuncia à polícia que recebeu ameaças
Ela passou a receber mensagens de ódio e exposi√ß√£o do seu n√ļmero de telefone, endere√ßo, CPF e até nomes de familiares. Tenente-coronel Camila Paiva, do Corpo de Bombeiros de Alagoas, lidera campanha contra assédio dentro dos quartéis

Arquivo pessoal

A tenente-coronel Camila Paiva, do Corpo de Bombeiros de Alagoas, que est√° à frente da campanha #assédionoquartel, denunciou à Pol√≠cia Civil que recebeu amea√ßas após a campanha ganhar repercuss√£o. A informa√ß√£o foi confirmada ao G1 nesta quinta-feira (30).

A campanha #assédionoquartel re√ļne relatos de abusos sofridos por mulheres militares dos bombeiros e da Pol√≠cia Militar.

Segundo a tenente-coronel, no domingo (26) ela passou a receber mensagens com amea√ßas, utilizando dados pessoais como endere√ßo e n√ļmeros de documentos.

"Recebi a primeira mensagem no domingo, com palavras ofensivas, algumas imagens que n√£o consegui identificar, e todos os meus dados pessoais como telefone, endere√ßo, CPF, nome dos meus familiares. Eu achei que n√£o era nada grave. Porém, no dia seguinte eu recebi uma mensagem por meio de uma bombeiro do Acre que a escritora Lola Aronovich, que j√° foi v√≠tima de ataques desse tipo e que pesquisa sobre esse tipo de pr√°tica, tinha tido acesso a um chan (sala virtual na deepweb em que pessoas se organizam para orquestrar ataques contra feministas, negros, LGBTQIs e militantes), avisando que estavam com meu nome, meus dados e minhas fotos se organizando para fazer ataques contra mim", explicou a tenente-coronel.

A tenente-coronel Camila diz que a escritora n√£o a conhecia. "Mas conhecia essa bombeiro, entrou em contato com ela, explicou o que estava para acontecer e mandou prints do material que ela viu l√°. S√£o pessoas do Brasil e do mundo inteiro que se organiza pra praticar esses crimes de ódio".

Ela levou o material enviado à Divis√£o Especial de Investiga√ß√Ķes e Capturas (Deic), especializada em crimes cibernéticos, no bairro da Santa Amélia, em Maceió, onde abriu o boletim de ocorr√™ncia na ter√ßa-feira (28) acompanhada de uma advogada.

Assédio dentro de quartéis

A campanha usa a hashtag #assédionoquartel, em que mulheres militares postam fotos em preto e branco com relatos de situa√ß√Ķes vividas por elas mesmas ou colegas de farda, usando o codinome Maria para relatar o assédio.

Depois que a tenente-coronel Camila divulgou o caso dela nas redes sociais, outras 15 mulheres militares de Maceió também relataram histórias de assédio. As postagens encorajaram mais mulheres, inclusive de quartéis de outros estados, a se manifestar.

Campanha incentiva den√ļncias de assédio contra mulheres no Corpo de Bombeiros e PM de AL