Justiça nega pedido de habeas corpus para empresário acusado de abuso sexual em Maceió

Justiça nega pedido de habeas corpus para empresário acusado de abuso sexual em Maceió
Desembargador José Carlos Malta Marques manteve a prisão em caráter liminar. Defesa deu entrada no pedido no mesmo dia da prisão, há 12 dias. Justiça nega habeas corpus para empresário preso acusado de cometer abuso sexual contra enteadas em Maceió

Reprodução/TV Gazeta

O desembargador José Carlos Malta Marques negou o pedido de habeas corpus de Marcelo Neves Pereira, empresário preso acusado de cometer abuso sexual contra as enteadas. A decisão foi publicada nesta terça-feira (28). Na decisão, ele diz que não há ilegalidade na prisão do empresário

Além disso, o desembargador citou que há indícios de que o réu é uma pessoa violenta e que a manutenção da prisão se justifica pelo "comportamento agressivo apresentado pelo ora paciente, o qual, ao menos em tese, já teria agredido e ameaçado as vítimas e sua genitora".

Malta marques chegou a citar um trecho da decisão de primeiro grau: "o réu constantemente desferia agressões físicas em seus enteados. Trata-se de conduta deveras gravosa, com consequências traumáticas sérias e danosas às vítimas e que a liberdade do réu pode ainda agravar. [...] Nesse cenário, há de se destacar, também, que depreende-se das declarações das vítimas o vasto número de delitos perpetrados pelo acusado, sendo evidente o risco concreto de reiteração delitiva".

Os advogados de defesa deram entrada no pedido de habeas corpus no mesmo dia da prisão de Marcelo Neves, em 16 de julho, alegando que não haviam elementos concretos e suficientes para decretação e manutenção da prisão e que não houve flagrante. Sustentaram ainda que a imposição de outras medidas cautelares seria suficiente no caso dos autos.

A reportagem tenta contato com a defesa do empresário.

Ex-mulher dá detalhes da acusação contra Marcelo Neves

Ex-mulher de empresário preso por abuso de vulnerável fala sobre o caso