Presidente da Islândia é reeleito com 92,2% dos votos

Presidente da Islândia é reeleito com 92,2% dos votos
O favoritismo se confirmou e se transformou em um triunfo contra o advers√°rio da direita populista. Com folgad√≠ssima margem, a Isl√Ęndia reelegeu neste s√°bado (27) para um mandato de mais quatro anos o presidente Gudni Johannesson. O presidente reeleito da Isl√Ęndia Gudni Johannesson, após ter votado no s√°bado (27)

Halldor Kolbeins/AFP

O favoritismo se confirmou e se transformou em um triunfo contra o advers√°rio da direita populista. Com folgad√≠ssima margem, a Isl√Ęndia reelegeu neste s√°bado (27) para um mandato de mais quatro anos o presidente Gudni Johannesson, com 92,2% dos votos.

Ao reeleger o professor de história de 52 anos, sem partido, a ilha vulc√Ęnica de 365 mil habitantes optou pela continuidade doze anos após a insolv√™ncia banc√°ria de 2008, e na imin√™ncia de uma nova crise econômica mundial devido à pandemia do novo coronav√≠rus. Seu advers√°rio Gudmundur Franklin Jonsson conquistou apenas 7,8% dos votos.

A vitória democr√°tica com um resultado digno de ditaduras foi prevista pelos institutos de pesquisa. Mas a taxa de participa√ß√£o foi menor que em anos anteriores: 66,9% dos 252.217 eleitores habilitados votaram nesse s√°bado, contra 75,7% em 2016, na primeira elei√ß√£o de Johanneson.

Gudmundur Jonsson reconheceu rapidamente a derrota. "Envio meus parabéns a Gudni e sua fam√≠lia", declarou à emissora p√ļblica RUV o ex-corretor de Wall Street, próximo de nacionalistas islandeses.

O presidente Johannesson afirmou em entrevista que sua inten√ß√£o é "continuar no mesmo caminho" pol√≠tico trilhado no primeiro mandato.

Regime parlamentarista

No regime parlamentar em vigor na ilha do norte da Europa, o chefe de Estado tem um papel essencialmente protocolar. Mas seu √ļnico poder real é importante: o direito constitucional de bloquear a promulga√ß√£o de leis e convocar referendos populares para vot√°-las.

Foi no rastro da crise financeira de 2008 que esta forma de veto presidencial foi utilizada pela primeira vez. O presidente conservador Olafur Grimsson organizou dois referendos, em 2010 e 2011, sobre um acordo de indenização de clientes estrangeiros lesados pela insolvência de seu banco, o Icesave.

Johannesson, o presidente mais jovem eleito depois da independência do país, em 1944, desfruta de forte popularidade desde que chegou ao cargo, em 2016.

"Eu acredito que esta foi a escolha mais f√°cil da minha vida para votar. Tinha me decidido h√° muito tempo", contou à AFP uma de suas eleitoras, Ragnhildur Gunnlaugsdóttir, de 47 anos. "Por que mudar quando se est√° bem?", acrescentou Helga Linnet, outra eleitora de 46 anos.

Ao contr√°rio de seu antecessor, Grimsson, que n√£o hesitou em alimentar a controvérsia partid√°ria, Johannesson insistiu no consenso durante sua perman√™ncia na resid√™ncia presidencial de Bessastadir.

Consenso

Seu √ļnico advers√°rio n√£o conseguiu ades√Ķes ao seu programa pol√™mico. O ex-corretor de Wall Street de 56 anos, entrou para a pol√≠tica em 2010, ao criar o partido populista de direita Haegri graenir. Em um pa√≠s onde a maioria dos poderes est√° na m√£o do governo e da atual primeira-ministra da esquerda ecologista, Katrin Jakobsdottir, o advers√°rio Jonsson queria tornar a fun√ß√£o presidencial mais ativa, ao utilizar mais, por exemplo, o referendo.

Para muitos, isto seria uma viola√ß√£o da tradi√ß√£o. "Realmente eu n√£o gosto disto porque o presidente na Isl√Ęndia tem um papel protocolar e n√£o pol√≠tico", avaliou Audunn Gisli Arnason, um dos eleitores entrevistados pela AFP.

Sem grandes dificuldades, as presidenciais islandesas, que acontecem em um √ļnico turno, podem reivindicar um lugar à parte na história da igualdade entre homens e mulheres. Em 1980, o pleito levou à elei√ß√£o da primeira mulher chefe de Estado do mundo, Vigdis Finnbogadottir, hoje com 90 anos.

Depois da Sérvia, no domingo passado (21), e antes da Polônia e da Fran√ßa, neste domingo (28), a Isl√Ęndia é o segundo pa√≠s a organizar uma elei√ß√£o depois do in√≠cio das medidas de confinamento adotadas na Europa para conter a dissemina√ß√£o da COVID-19. Além das medidas de precau√ß√£o (distanciamento de dois metros e disponibiliza√ß√£o de √°lcool em gel nas se√ß√Ķes), a epidemia, praticamente contida na ilha, n√£o teve impacto.