Procuradores deixam Lava Jato após coordenadora pedir acesso a dados da operação

Força-tarefa da Lava Jato no Paraná acionou corregedoria após depois que chefe do grupo da operação na PGR, em Brasília, ter pedido acesso a informações que seriam sigilosas.

Três procuradores da Lava Jato que atuam na PGR pedem para sair

Três procuradores da Lava Jato que atuam na PGR pedem para sair

Três procuradores decidiram deixar o grupo da Operação Lava Jato na Procuradoria-Geral da República, em Brasília, devido a uma divergência da PGR com a força-tarefa da operação no Paraná.

Duas fontes confirmaram à TV Globo que a saída dos três é uma reação ao pedido da coordenadora da Lava Jato na PGR, subprocuradora Lindora Maria Araújo, de acesso a dados das forças-tarefas da operação nos estados.

Os procuradores que decidiram deixar os cargos no grupo são Hebert Reis Mesquita, Victor Riccely Lins Santos e Luana Macedo Vargas. Permaneceram no grupo a própria Lindora Araújo, além de Alessandro José Fernandes de Oliveira e Leonardo Sampaio de Almeida.

A força-tarefa da Lava Jato no Paraná levou o caso à Corregedoria Nacional do Ministério Público Federal.

Nas últimas quarta (24) e quinta-feira (25), Lindora Maria Araújo fez uma visita ao grupo do Paraná. O encontro provocou desentendimento a respeito da transferência de informações sigilosas.

O pedido de providências à corregedoria, dizem os procuradores do Paraná, foi feito "como medida de cautela" e "para prevenir responsabilidades".



Segundo o relato dos procuradores, a chefe da Lava Jato na PGR buscou acesso a procedimentos e bases de dados da força-tarefa "sem prestar informações" sobre a existência de um processo formal no qual o pedido se baseava ou o objetivo pretendido.